quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA

Fotos de arquivos de Maria Reis e Rosimary Carvalho
A gravidez de adolescentes está se tornando cada vez mais comum, apesar das sérias conseqüências para a vida dos adolescentes, das crianças que nascem e das famílias envolvidas.
Nos EUA, onde existem boas estatísticas, vê-se que de 1975 a 1989 a porcentagem dos nascimentos de adolescentes grávidas e solteiras aumentou 74,4%. Em 1990, os partos de mães adolescentes representaram 12,5% de todos os nascimentos no país. Lidando com esses números, estima-se que aos 20 anos, 40% das mulheres brancas e 64% de mulheres negras terão experimentado ao menos 1 gravidez nos EUA.
 (fonte: http://gballone.sites.uol.com.br/infantil/adolesc3.html)

Cerca de 1,1 milhão de adolescentes engravidam por ano no Brasil e esse número continua crescendo. Hoje, 65% das mulheres grávidas têm menos de 20 anos, segundo dados fornecidos pelo Hospital São Paulo, em estudo realizado entre 1996 e 1998.
(fonte: http://www.invivo.fiocruz.br/)
Apesar das meninas serem as maiores vítimas, não podemos nos esquecer que também o pai, na maioria das vezes, é adolescente, sem emprego, e que depende dos pais para sua própria manutenção.
A grande maioria desses adolescentes, não tendo condições financeiras nem emocionais para assumir a maternidade/paternidade e, ainda, por causa da repressão familiar, foge de casa e abandona os estudos.
Para muitos destes jovens, não há perspectiva de futuro, não há planos de vida. Somado a isso, a falta de orientação sexual e de informações pertinentes, a mídia projeta para os jovens imagens de sensualidade, libido, beleza e liberdade sexual. Nessa fase da vida, faz-se tudo por impulso, sem pensar nas consequências, o que aumenta ainda mais a incidência de gestação juvenil.
Quando se fala em gravidez na adolescência a primeira coisa em que pensamos é que se trata de uma história muito triste, de mães sem preparo para gerar um bebê, para cuidar dele e manter uma família.
Mas, há um fato mais preocupante: a gravidez na adolescência já começa a ser tolerada (por que se pensa que é algo normal, ocorrendo com cada vez mais frequência), o que a torna um risco para a sociedade, pois essas crianças que vão crescer “largadas no mundo” são mais propensas a experimentar drogas e cometer delitos. Passam a ser responsabilidade de todos nós.
E os riscos que a adolescente corre? Ela pode contrair doenças sexualmente transmissíveis como a AIDS, a Hepatite, gonorréia, sífilis e outras tantas que existem, pela falta de informação e cuidados.
É muito importante que a adolescente faça o pré-natal para que possa compreender melhor o que está acontecendo com seu corpo, seu bebê, prevenir doenças e poder conversar abertamente com um profissional, sanando as dúvidas que atordoam e angustiam essas jovens.
Proibir as relações? Não vai adiantar. O ideal é uma conversa clara e franca, dos pais, esclarecendo dúvidas e orientando os filhos (meninas e meninos) para todos os riscos de uma gravidez precoce e indesejada.
Em um próximo “post”, vamos falar de CASOS REAIS, envolvendo “crianças” muito próximas a algumas meninas do flickr, e que precisam de ajuda. A partir dos casos, vamos iniciar nosso CONCURSO “ESTADO X ESTADO”, envolvendo os estados de São Paulo e Rio de Janeiro.
Pensem bem, e ajudem-nos a ajudar. Bjks. Rosemary Carvalho e Neli Alves

2 comentários :

  1. Madame Neli!!!!!!!!!!!
    Que saudades menina!
    Ai que bom que vc gosta das minhas maluquices.... hahahhahahahahahahahaha ...
    De médico e de louco, todos temos um pouco!
    Eu concordo com vc em relação a este índice crescente de grávidas.É como a estória que eu contei, entende qdo eu falo que as pessoas estão banalizando tudo?! Então... é por aí!
    Falamos, ensinamos, mas, ainda é pouco, é preciso o Governo se envolver de verdade... campanhas em cima de campanhas e assim as coisas podem dar certo!
    um grande beijo linda!

    ResponderExcluir
  2. É incrível como parece que as famílias vão se acomodando. Os filhos se drogam, eles se descabelam, com o tempo as coisas se acalmam e pronto.
    As filhas engravidam, todo mundo grita e esperneia e daí a pouco tudo fica bem e logo logo ela engravida pela segunda e terceira vez...
    No meu tempo uma moça de mais de 20 anos grávida era um escândalo, imagine uma menina de 12!14! Isso quando acontecia a casa vinha abaixo.
    Enfim... pra mim continua sendo um choque, apesar de não querer ser a palmatoria do mundo.
    Bjks para você.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita.Deixe o seu recadinho e eu responderei.

IntenseDebate Comments - Last 5

Ocorreu um erro neste gadget